A Origem do Aggressive e o CILS!

O Aggressive Inline no Brasil

No Brasil, o Aggressive Inline surgiu em 1992. Os pioneiros na patinação radical em linha foram Fabiano Kenji, Helio Fagundes, Reinaldo buchecha, Antônio Escorel, Rodrigo Lagoa, Daniel Cajal, Thiago Negão, entre muitos outros. Nessa época começaram à ser realizadas muitas competições, através da extinta ASA BRASIL (Agressive skaters association), que durou até meados de 1999, a única associação que investe em eventos agora é a X-game.

Os patins eram vistos como uma moda cultuada pela tribo do street. Muitos desses patinadores do Brasil começaram nesta época comprando patins que pareciam dinossauros de tão pré-historicos, com presilhas e horríveis e gigantes rodinhas que escorregavam até mesmo no asfalto “parece piada, mas não é”. Entretanto, o Aggressive inline foi se firmando à medida que a marca Rollerblade crescia.

Untitled-1 copy

O Início!

O ano de estréia do Circuito In-Line Street (CILS) contou com toda força e entusiasmo da cena in-line brasileira. As seis etapas somaram 341 competidores, 19 meninas, 147 iniciantes, 112 amadores, 38 profissionais e 25 no vertical. A competição consagrou atletas experientes e evidenciou novos talentos. Os eventos também foram marcados pelo grande empenho dos patrocinadores e das diversas marcas gerenciadas por patinadores. A premiação entregue aos atletas vencedores acumulou no ano mais de R$ 40 mil reais em produtos.
Ao final do CILS 2008 foram ranqueados 19 meninas, 51 amadores e 35 profissionais. Em adição, três amadores cumpriram os requisitos do regulamento do circuito e passaram para a categoria profissional.
Os iniciantes, apesar de não possuir ranking, marcaram presença nas seis etapas, revelando novos talentos como Joselito “Neguinho” e Leonardo “Burns”. Isso deixa claro que a categoria iniciante é de suma importância para a renovação do esporte.
Depois de alguns anos sem competições de in-line no half-pipe, três etapas de vertical amador ocorreram em anexo ao circuito. Assim, atletas novos da categoria puderam mostrar seu talento. Emerson Chorão, Daniel Hashimi, Irlan Fufa e Cesinha se destacaram nos campeonatos e deixaram claro que o vertical está vivo e voltou para ficar.
A categoria feminino é, sem dúvida, a vedete da competição. As meninas patinaram com muita competitividade e união, trazendo charme especial aos eventos. O topo do ranking foi disputado ponto a ponto entre as atletas Francielle Ramos, campeã do CILS-08, e Letícia Dias, segundo lugar no Ranking. Na terceira colocação terminou Seyla Regina, seguida por Bruna Pupo em quarto lugar e Erica Tavares em quinto.
A competição amadora foi de longe a mais inspiradora do ano. Ainda menos experientes que os profissionais, os amadores compensaram com muita energia, ousadia e empolgação. Os três primeiros colocados ascenderam para profissional e, sem dúvida, deixarão a categoria mais competitiva. Fernando Camilo surge como a grande revelação do circuito, ao apresentar rolê admirável, com manobras velozes e de alto impacto. O estilo passional do atleta surpreendeu a todos e levantou as arquibancadas de Peruibe. Esse rolê extremamente agressivo, puro e desprovido de estratégia, incendiou os juízes e garantiu a Fernando Camilo o título de primeiro campeão amador do CILS. Kalleo Hipólito, após liderar o circuito por quatro etapas com desempenho sólido e sagaz, repleto de manobras altamente impetuosas e técnicas, terminou o circuito na segunda colocação. Em terceiro lugar despontou Eric “Pépe”, que se posicionou o ano inteiro entre os protagonistas da competição, arriscando sempre combinações de grinds técnicos e giros extensos. Assim como Pépe, Jeferson “Cinho” honrou a escola de Campo Limpo ao executar grinds técnicos e giros estilosos, com grande solidez. Desse modo, Cinho alcançou a quarta colocação. O quinto lugar foi conquistado por Otoniel “Ton”, um dos competidores mais técnicos do circuito. No decorrer das etapas exibiu manobras como 540º alley oop soul e 270º top soul, executadas com incomum consistência.
A competição profissional foi marcada pela hegemonia inconteste de Fabio Enes. O atleta venceu cinco das seis etapas, liderando o certame de ponta a ponta e, assim, sagrou-se o primeiro campeão do CILS. Sua performance pode ser entendida como uma seqüência consistente e fluida de grinds absurdamente técnicos, giros extensos que variam desde 540º até 1260º e arriscadas combinações de ambos. Pedro “Pedigree” arrebatou a segunda colocação com impressionante personalidade. Com grande explosão, registrou manobras aéreas de grande magnitude e combinações inesperadas de grinds. A terceira posição foi atribuída a Felipe Cesar, que fez por merecer com espantosa regularidade e fluidez. Felipe desliza pela pista com enorme naturalidade e faz manobras de alto nível parecerem triviais. Daciel de Jesus, atleta com ampla experiência em campeonatos, conseguiu emplacar um rolê muito forte nas etapas que participou. Como conseqüência, angariou a quarta colocação, consolidando sua posição entre os melhores atletas do país. Em quinto lugar ficou Daniel “Tamanda”. O competidor apresentou manobras carregadas de estilo e individualidade, colocando-se sempre em destaque nos eventos da cena in-line.
A organização do CILS avalia que o primeiro ano da competição obteve saldo bastante positivo. Mesmo estando ciente do estado bastante embrionário do esporte, temos a percepção de que os eventos de 2008 apontam para anos de maior crescimento e profissionalização. Ficou evidente o extraordinário empenho e compromisso de atletas, mídia e empresários do cenário nacional, motivados quase que exclusivamente pelo entusiasmo e amor em relação ao patins in-line.

Comentários acesse:

AGGRESSIVEINLINE2.COM

Anúncios

TrackBack Identifier URI